Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Girls can !!

Lifestyle

Lifestyle

Girls can !!

12
Jan18

ESTÁ VICIADO NAS REDES SOCIAIS?


Cátia Sofia Santos

Quantas vezes olhou para grupos de pessoas que já não conversam e apenas olham para os seus telefones? Este pode ser um problema sério... Será que também está viciado nas redes sociais? Descubra.
 
 

Assim como ser viciado em outras coisas, o vício nas redes sociais pode ter consequências e negativamente afetar a própria vida. Hoje em dia as conversas estão a ser substituídas pelos telefones, vamos a restaurantes e vemos toda a gente a teclar ou a fazer scroll no telefone. Fala-se mais em grupos do whatsapp do que na vida real. Posto isto até que ponto está o seu vício em redes sociais? Destacamos os 10 sinais que indicam que está viciado:

Estar constantemente a atualizar os seus perfis - O pior sinal que mostra que está totalmente viciado em redes sociais é atualizar obsessivamente. Se gosta de ver quem responde, colocar fotos constantemente ou fazer like em tudo, ou se simplesmente não consegue esperar pelo último post da sua celebridade favorita, é um sinal que está viciado.

A sua vida nas redes sociais é a base da sua própria auto-estima - Deixar a própria popularidade online determinar a sua auto-estima pode realmente se transformar num grande problema. Acredite que o facto de ter mais ou menos likes em nada vai mudar a sua vida e a forma como aqueles que o rodeiam gostam de si.

Planear usar as redes sociais - Está sempre a pensar em ver as suas redes sociais ou faz planos de alturas ou lugares onde vai poder usar o telefone para o fazer? Está no trabalho, num jantar, numa reunião ou num encontro de amigos e ao invés de participar na conversa está a pensar em ir 'checkar' o facebook ou instagram? Então é um sinal de que está viciado...

Usar as redes sociais para esquecer os próprios problemas - Muitas pessoas usam as redes sociais como uma maneira de escapar dos seus problemas reais. Se passar muito tempo a ver o que outras pessoas estão a fazer, apenas para que possa esquecer os próprios problemas, há risco de ter mais um problema que não foi percebido.

Ser a primeira coisa que faz pela manhã e a última que faz antes de dormir - Então qual é a primeira coisa que as pessoas fazem pela manhã? Vão à casa de banho, tomam um banho, escovam os dentes ou tomam o pequeno almoço? A resposta para muitas pessoas atualmente é ver  as suas redes sociais e o que se passou durante o dia ou a noite nas mesmas.

Ser a principal forma de comunicação - Já não se encontra com os seus amigos mas fala constantemente com eles pelo whatsapp. Não os vê mas envia fotos e faz video chamadas e acha que isso é suficiente para manter uma amizade. Se assim é, sim, está viciado!

Fazê-lo sentir-se desamparado - As pessoas que têm vícios em drogas ou álcool podem ter sintomas físicos de abstinência, com as redes sociais passa-se algo parecido. Se por qualquer razão, não há forma de ter internet por um longo período de tempo, ou se ficou sem bateria, existe a possibilidade de começar a sentir-se inquieto ou perturbado. Ser viciado em rede social pode não ser apenas mental, mas poderia também afetar o próprio físico.

Ter um impacto negativo na sua vida - Embora este tipo de ambiente possa algumas vezes ajudar a produtividade do trabalhador, um vício em redes sociais pode realmente assumir o comando da sua vida e fazer com que seja difícil pensar em outra coisa senão na realidade virtual. Se vê que a sua capacidade de concentração não é a mesma, se está sempre a pensar em formas de tirar fotos que gerem muitos likes, se fica frustrado quando vai a algum local novo e não consegue boas fotos para publicar, se as pessoas demoram mais tempo do que o habitua a responder e isso o deixa nervoso... se estes sintomas são alguns daqueles que sente associados a redes sociais, então há claramente um vício que deve ser resolvido.

11
Jan18

ACORDE CEDO, MAS COM GENICA!!!


Cátia Sofia Santos

Nem toda a gente gosta, nem toda a gente consegue e há quem acorde com muito mau humor. Mas, nada como criar uma rotina para alterar comportamentos.
 
Há dias que são inevitáveis! Ou porque se tem uma reunião mais cedo que costume ou porque se tem de ausentar ou porque os seus filhos assim o impuseram. As razões são bem diversificadas e mesmo para quem não tenha o hábito... irão sempre surgir dias em que terá de se levantar mais cedo. Mas, o pior nem são estes casos, mas sim o de pessoas que o têm de fazer todos os dias e continuam sem saber lidar com a questão. Mau humor, irritação e sonolência são caraterísticas normais e ter consciência que nem sequer é uma escolha pessoal é pior ainda. No entanto, o que a maioria das pessoas não tem noção é que isso acontece por culpa delas, ou seja, é certo que o horário de trabalho pode ser imposto, mas tudo o que acontece antes de dormir é de sua inteira responsabilidade. E nem vale a pena argumentar que não consegue ir para a cama mais cedo, por exemplo! Se nunca tentou – e não, não é tentar 2 ou 3 dias – ou se só experimentou fazê-lo por pouco tempo, é normal que nunca venha a conseguir. A rotina do sono não se conquista assim. E sim, há pessoas diurnas e noturnas, até porque possuem ciclos e genética diferentes, mas tanto umas como as outras devem ter uma rotina de sono.

Se tem de se levantar muito cedo e lida mal com isso, está na altura de começar a contrariar isso, até porque quando se começar a habituar irá, com certeza, andar mais bem humorado.

Criar rotina
O ideal será deitar-se e acordar sempre no mesmo horário. O nosso corpo tem um relógio interno pelo que se torna imprescindível seguir as suas badaladas e não andar constantemente a acertá-lo. Conforme referido acima, esta rotina não vai lá com 2 ou 3 dias. Insista! Não fique a ver aquela série até tarde, evite refeições pesadas, evite o álcool, evite o tabaco, evite o chocolate ou qualquer outro excitante, deixe o telemóvel ou portátil fora do quarto, não veja televisão na cama e dê preferência a um pijama confortável, a um quarto arejado e sem luz, a uma cama bem feita, a um banho quente, a um bom livro, etc...

“Mais 5 mn...”
É um erro crasso! Para além de poder adormecer de novo e acordar sobressaltado por já estar atrasado, o 'snooze' só serve para que o seu corpo e vontade fiquem com pouca energia. Quando o despertador tocar, espreguice-se com vontade, torça o corpo todo e levante-se.

Luz natural
A luz é um facilitador, por isso quando acabar de se espreguiçar, levante-se e abra as janelas. A luz facilita um acordar gradual e positivo.

Exercício físico
Parece algo improvável e possivelmente a vontade não é nenhuma, mas o que é certo é que o exercício físico pela manhã irá ajudar na sua boa disposição durante o dia. Ajuda o corpo a despertar melhor e a sua energia durante o dia será notória e o dia correrá ainda melhor. Não obstante, quando chegar ao fim do dia, vai ser boa a sensação de ter despachado mais essa tarefa.

Planear o dia
Se já custa levantar cedo, pior ainda se tiver que decidir determinadas coisas logo ao acordar: roupa, refeições, snacks, preparar mala, etc... Planeie e deixe preparado na noite anterior tudo o que for possível para assim evitar correrias e má disposição.

Atitude
A sua vontade e disposição também vão partir da sua atitude, isto é, se andar constantemente a repetir para si mesmo que odeia levantar-se cedo e que custa horrores, é normal que o corpo e a mente se ressintam. Coloque uma música energética e que goste no despertador, espreguice-se e abrace o novo dia. Acordar cedo faz com o seu dia renda mais e melhor!

Capacite-se do seguinte... o sono é das principais atividades da vida! Dá energia, previne doenças, ajuda a emagrecer e a pessoa sente-se bem física e emocionalmente. O sono deve e tem de ser uma prioridade e quem orgulhosamente diz tantas vezes que se aguenta com 4 ou 5 horas de sono, quando deveria dormir cerca de 8, não irá ter um desempenho enérgico e a médio/ longo prazo as competências também podem falhar.

10
Jan18

ANO NOVO, HÁBITOS NOVOS!!!


Cátia Sofia Santos

Talvez façam parte das suas resoluções ou talvez não, mas nada como a entrada do novo ano para fazer um refresh a determinadas posturas e comportamentos.

Não há ninguém que não gostasse de alterar alguma coisa na sua vida. É certo que há factores que, infelizmente, por diversas circunstâncias, tornam mais complicado uma mudança. No entanto, há outras coisas que é possível mudar e que só trazem uma melhor qualidade de vida ao nível do bem-estar, saúde e vida profissional.

Por muito que se pense em alterar alguma coisa, até o deitar mais cedo por exemplo, a tendência é achar que vai ser complicado fazê-lo. Ora, se pensarmos que um bebé aprende as coisas na base da repetição e todos nós já o fomos, porque não começar por aí? Provavelmente está a pensar “Então, mas vou criar mais uma rotina quando já tenho tantas?” o que é completamente compreensível, no entanto, há rotinas que são extremamente positivas e fazem com que o seu dia corra melhor e, por conseguinte, adquira uma melhor qualidade de vida a médio e longo prazo.

As rotinas são extremamente importantes para implementar hábitos produtivos, a concentrar-se naquilo que é realmente importante e contribuem para a concretização de objetivos. O simples hábito de começar o seu dia com um bom pequeno-almoço em casa e sentado, por exemplo, faz com que não comece o dia stressado. Isso implica levantar-se mais cedo? Pois bem, deite-se mais cedo. Acredite, esta é uma rotina que só lhe vai fazer bem à saúde e dar-lhe mais energia durante o dia. Por isso, nada como adotar um ou outro hábito, criar uma rotina, ter noção que melhorou com os mesmos e abraçar outros novos. Para isto basta delinear uma estratégia:

- Implementar o desafio durante unm mês onde se concentra apenas na mudança que quer fazer;
- Escreva sobre aquilo que o motiva para tal, quais serão os possíveis entraves e as estratégias para os colmatar;
- Fixe-se e dedique-se a 100%;
- Registe o progresso diariamente;
- Dê a conhecer o seu objetivo a um amigo, até porque em momentos mais difíceis o mesmo pode ajudá-lo;
- Dê a si mesmo uma recompensa por cada vitória;
- Caso não tenha sucesso, tente perceber o que correu menos bem e defina uma nova estratégia.

Não obstante os hábitos que queira implementar, há aqueles que deveriam ser inerentes ao modo de estar na vida, uma vez que só lhe irão beneficiar e aumentar o seu bem-estar. Assim, aconselhamos alguns para que possa entrar em 2018 a trabalhar e incrementar os mesmos:

Pensamento positivo – não precisa de ser aquele otimista sem nenhum tipo de noção, até porque facilmente se transforma numa certa ingenuidade e onde a desilusão pode tornar-se uma constante. No entanto, o pensamento positivo ajuda-o a ver o mundo com outros olhos e a conquistar mais facilmente o que pretende, contrariamente aos negativos que, para além de relacionados com o fracasso, não são de todo motivacionais. Comece a estar mais consciente aos seus pensamentos e autocríticas negativas e anote as mesmas sempre que surgirem. O mesmo deverá ser feito face a terceiros e situações. Com o tempo vai ver que irá começar a converter o negativo em positivo e tudo irá fluir melhor. Exemplos como “Ainda falta tanto tempo” para “Já só falta isto” são muito simples, mas fazem toda a diferença.

Exercício físico – 'mente sã em corpo são' não é uma frase feita e até deveria ser usado como mantra. Já para não falar da parte estética, a prática faz com que se sinta bem consigo mesmo e não só a nível físico. Irá sentir-se com mais energia, mais bem disposto, incentiva e potencia a criatividade, diminui os níveis de stress, minimiza uma série de possíveis doenças e reforça o pensamento positivo. Em suma, proporciona-lhe todo um bem-estar a nível físico e emocional.

Risque o que não é necessário – infelizmente tende-se a valorizar e a dar prioridade a coisas erradas. Deve começar por identificar quem e o que são as coisas importantes na sua vida, aquelas sem as quais não consegue viver. Por vezes dá-se mais atenção a coisas supérfluas sem ter noção que as outras se estão a degradar aos poucos, o que a longo prazo pode ser destrutivo e nem sempre à volta a dar. Portanto, foque-se no que é essencial e a sua vida vai ficar bem mais simplificada.

Elimine o multi-tasking – é certo que já foi considerado uma grande qualidade e não tem de o deixar de ser em ocasiões e situações corriqueiras, mas quando se fala em temas que envolvam mais responsabilidade, o melhor é adotar o single-tasking. Ao estar a saltar de uma tarefa para outra o que vai acontecer é que só estará a 'tapar buracos', visto que nenhuma delas está a ser feita a 100% e torna-se mais difícil concretizar os objetivos. Assim, dedique especial atenção a uma coisa de cada vez. A eficácia será atingida, será mais produtivo e andará menos stressado.

Um objetivo de cada vez – na senda, concentrar-se num objetivo de cada vez impede que disperse a sua energia e concentração e será bem mais infalível de concretizar. Desmembre o objetivo em vários e passe por todas as etapas até à meta final.

09
Jan18

AS 10 RESOLUÇÕES DE ANO NOVO QUE TODA A GENTE JÁ FEZ!!!


Cátia Sofia Santos

Todos nós já prometemos todas estas coisas... A maior parte delas ficaram por cumprir. Saiba quais são as promessas mais habituais e pense diferente para 2018 para conseguir cumpri-las.
 

Ano novo, vida nova e… resoluções antigas! O último dia do ano e os primeiros do novo ano são dias propícios a fazer reflexões sobre como foi o ano anterior, ponderar sobre o que devemos mudar e onde podemos melhorar no ano que está a começar. A chegada de um novo ano traz sempre consigo uma grande expectativa e também pressa em mudar, mas muitas vezes criam-se metas surreais, que acabam por ser facilmente colocadas de parte, porque ignoramos o tempo e recursos necessários para a sua execução.

Conheça as 10 resoluções de ano novo mais comuns e o que deve fazer para conseguir atingir estas metas de forma real.

 

1. Perder peso/ir ao ginásio

Esta é, sem dúvida, uma das resoluções de ano novo mais populares e também a maior promessa não mantida por muitos. Esta é uma promessa que normalmente só dura 2 a 3 meses e depois é posta de lado. Quer perder peso ou ser ativa fisicamente e já começa o ano a exagerar na alimentação e a ser preguiçoso? Tenha em mente que emagrecer e principalmente manter um estilo de vida regrado e saudável exige paciência e persistência. Se para além de perder peso, também quer ganhar  em saúde e bem-estar deve consultar um nutricionista e fazer um check-up à sua saúde, para perceber se está efetivamente acima do peso, se isso se deve a alguma questão de saúde e quais os alimentos que deve introduzir ou pôr de lado na sua dieta. Um PT também pode ser uma boa ajuda no caso de começar a fazer mais exercício físico, pois irá puxar por si e criar um compromisso.

2. Deixar de fumar

Quantas vezes já não ouviu esta promessa? Para a maioria dos fumadores, deixar de fumar é simultaneamente um desejo mas também uma grande dificuldade. Por isso mesmo não deve tomar esta decisão levianamente.  Faça um plano sobre qual é a melhor forma de deixar o tabaco, respeitando sempre as suas próprias limitações. Por vezes é mais fácil de forma radical, outras de forma gradual.  Também pode ser recorrer a tratamentos, que devem ser realizados com acompanhamento médico.

 

3. Mudar de trabalho

Se o grande objetivo para o novo ano é conseguir um novo trabalho ou então mudar de empresa ou de área, pense em todo o processo de forma antecipada: prepare um bom currículo, pesquise sobre a empresa na qual deseja trabalhar, invista na sua imagem e marketing pessoal. Este é o processo chave para ser bem sucedido. Se está insatisfeito com o seu trabalho tome uma decisão e trabalhe para isso.

 

4. Poupar mais

Este é outro clichê de ano novo. Quem nunca pensou no início de um novo ano que este vai ser o ano para poupar para umacasa, um carro, para viajar, ou apenas para ter um fundo de maneio. No entanto, todos os meses surge alguma coisa e este plano acaba por ir por água abaixo. Para garantir a sua estabilidade e sucesso financeiro, comece por analisar quais os gastos que são realmente necessários e elimine os supérfluos. O importante é não desistir e exercitar o controle financeiro mês após mês, só assim é que alcançará a organização desejada.

5. Ler mais

"Este ano vou ler 12 livros: 1 por mês!". Onde é que já leu isto? Muito provavelmente nas suas resoluções de ano novo... Esta atividade, que exige paz e tranquilidade, é outra resolução com uma alta taxa de abandono. Seja para fins profissionais ou por “hobby”, para manter-se fiel a uma leitura é preciso ter tempo de qualidade, um local bem iluminado e, preferencialmente, silencioso. E já agora: escolha bem os livros. Porque o maior fator de motivação é a qualidade do mesmo e claro, o seu nível de interesse.

6. Aprender uma coisa nova

Tocar um instrumento musical, aprender um novo idioma ou a cozinhar são apenas algumas das muitas coisas que as pessoas costumam definir enquanto resolução para o novo ano. Tenha em mente que aprender uma coisa nova é muito bom, mas que também pode trazer as suas dificuldades e levar a uma rápida desistência. Como contornar esta situação? Se tiver um amigo que partilha os mesmos objetivos, junte-se a ele e assim um estimulará o outro frente aos desafios e ao desânimo que podem surgir durante o processo de aprendizagem.

 

7. Passar tempo de qualidade coma família

Muitas famílias chegam ao final do ano e pensam que efetivamente não passaram tanto tempo de qualidade uns com os outros como gostariam. Caso esse seja o seu desejo para o novo ano, comprometa-se a eliminar atividades extras, a não trabalhar até mais tarde nem que seja por um dia na semana ou programe sair com a família pelo menos uma vez por mês. São pequenas atitudes que lhe podem deixar mais perto de quem ama e melhorar exponencialmente os laços afetivos entre todos.

 

8. Viajar mais

Viajar e conhecer o mundo é outras das resoluções de ano novo mais típicas, mas depois o tempo acaba por passar e acaba por ficar sempre em casa. Sente que isto acontece consigo? Viajar pode ser um rombo na carteira, mas é sem dúvida um enriquecer de alma. Para que possa viajar mais vezes e enriquecer a sua, nada como ter em conta alguns aspetos que lhe permitem poupar e, acima de tudo, conhecer outras realidades que provavelmente não se iria deparar.

9. Fazer voluntariado

Altruísmo, além de ser uma atitude nobre, é bem raro nos dias atuais, porém, existem muitas pessoas que sentem prazer e realização em ajudar o próximo. Para que esta resolução seja concretizada, comece por decidir de que forma quer ajudar: através do ensino, voluntariado, cuidando de idosos, desenvolvendo projetos sociais numa ONG ou, quem sabe, criar a sua própria associação de apoio social. Depois de definida a sua meta, faça um plano com o tempo que poderá contribuir para a sua causa. Mesmo que não se torne voluntário numa instituição, existem muitas formas de ajudar alguém todos os dias.

10. Vou estar mais atento à minha saúde

Outra promessa comum que quase nunca se concretiza é a de cuidar melhor da saúde. Nos primeiros dias do ano há sempre um plano traçado de marcar vários médicos para ver se está tudo bem, mas acaba por deixar este plano de lado e consultar um médico apenas quando sente uma real necessidade. A saúde é mesmo algo com a qual não devemos descurar, por isso faça um check up geral e vá apenas a consultas da especialidade se houver algo que suscite dúvidas. Trabalhe também em todos os outrso aspetos: alimentação, exercício físico e a dominar os níveis de stress.

Está na altura de refletir e fazer as suas novas resoluções para o novo ano, agora com o plano de como pode atingi-las e torná-las reais.

08
Jan18

15 TENDÊNCIAS EFECTIVAS QUE VÃO CONTINUAR A MOVER O MUNDO EM 2018!!!


Cátia Sofia Santos

Os avanços científicos e as inovações tecnológicas já moldam a forma como trabalhamos, como nos relacionamos e até a relação que temos com as doenças. Saiba já os que mais se evidenciarão.
 
 

1. Privacidade no topo das prioridades

Muitos especialistas nacionais e internacionais não têm dúvidas. A privacidade volta a ser uma coisa… privada! Nos últimos anos, com a explosão das redes sociais, muita informação que não deveria sair do foro íntimo passou a ser (quase) global, o que gerou uma nova série de preocupações. Em 2018, muitos cidadãos vão sentir necessidade de se resguardar mais.

O anúncio de novas leis que protegem os seus direitos é aguardado com expetativa. A nova legislação traz com ela novos desafios para operadores, empresas e reguladores. Muitos analistas acreditam que empresas demasiado dependentes da informação que obtêm dos consumidores, como o Facebook, o Google ou a Amazon, podem vir a ser prejudicadas pelas novas diretivas.

2. Saúde (ainda) mais tecnológica

Aplicações móveis que detetam, previnem e/ou curam doenças vão continuar na mira dos investigadores. Numa altura em que mais de dois mil milhões de pessoas em todo o mundo já usam smartphones, os especialistas veem aqui um mercado emergente com um enorme potencial que muitas empresas, como se tem visto nos últimos anos, não vão querer desperdiçar.

3. Regimes alimentares à base de plantas em voga

A guerra ao açúcar promete intensificar-se. A promoção da chamada clean food, um conceito cada vez mais em voga, volta a dar protagonismo aos vegetais, às frutas, às leguminosas, às hortaliças e aos cereais, condenando o consumo excessivo de alimentos produzidos industrialmente. Os regimes alimentares à base de plantas e o veganismo integram as listas elaboradas pelos especialistas.

4. Máquinas que substituem pessoas

Más notícias para quem anda à procura de emprego e até para quem tem vínculos laborais. À semelhança das últimas décadas, novas tecnologias e inovações vão conseguir fazer o trabalho que até aqui era assegurado apenas por pessoas, o que poderá gerar uma nova onda de perdas de postos de trabalho. A empresa europeia BlendBow, por exemplo, criou o Barmate, uma máquina que faz coquetels em 30 segundos.

 

15 tendências efetivas que vão continuar a mover o mundo em 2018

 

5. Volunturismo e ecoturismo em alta

A necessidade de partir em busca do exótico e do autêntico, já sentida em anos anteriores, é outra das tendências para 2018. O regresso às raízes e a (re)descoberta das especificidades de cada povo levará muitos turistas e viajantes a trocar aviões, hotéis e resorts por autocaravanas, por espaços de ecoturismo e por casas particulares. As viagens gastronómicas, o glamping, os cruzeiros e as experiências de voluntariado no estrangeiro estarão em alta.

6. Geolocalização como ferramenta de negócio

Mais anúncios de promoções e ofertas no telemóvel. Para aproveitar o facto da maioria dos consumidores viver hoje permanentemente ligada e em rede, muitas empresas vão procurar tirar partido desta nova forma de vida para tentar gerar novas oportunidades de negócio, enviando as mensagens certas no momento mais oportuno, em função da geolocalização, que permite às marcas saber onde estão as pessoas

7. Igualdade de género mais igualitária

Os conceitos de virilidade e de masculinidade vão continuar a ter tendência a esbater-se. Nas últimas décadas, o papel social do homem mudou. Hoje, já não é, na sua maioria, o ser bruto e indelicado que se embriagava, batia na mulher e descurava afeto aos filhos. Nem todos se reveem na imagem do metrossexual mas já não têm dúvidas em reconhecer que o paradigma mudou.

Um estudo do Pew Research Center, divulgado nos EUA em dezembro de 2017, elaborado com base num inquérito a 4.573 pessoa, revela que, apesar de 53% considerarem que a sociedade continua a proteger mais os homens, 32% também afirmam que sentem que as mulheres são mais reconhecidas. Ainda há meia-dúzia de anos, as percentagem eram mais díspares.

8. Realidade aumentada supera realidade virtual

O setor tecnológico vai continuar a apresentar inovações surpreendentes. A internet das coisas, IoT, sigla de Internet of Things, a expressão usada internacionalmente, vai ser integrada num número crescente de eletrodomésticos e de dispositivos eletrónicos. Muitos analistas estimam ainda que a realidade aumentada vai registar um crescimento maior e mais rápido do que o da realidade virtual.

 

15 tendências efetivas que vão continuar a mover o mundo em 2018

 

9. Menos é cada vez mais

O regresso ao despojo e à simplicidade. Há uns anos, o consultor Dave Bruno lançou «O desafio das 100 coisas», um livro que procurava combater o consumismo exacerbado e a necessidade excessiva que as pessoas têm de possuir coisas. A corrente de defensores desta necessidade tem vindo a conquistar novos seguidores um pouco por todo o mundo, com os millennials na génese desta nova realidade.

10. Cidadãos mais reinvindicativos

Os efeitos colaterais nem sempre serão os melhores mas muitas pessoas nem sequer se lembrarão de os ponderar. Num mundo cada vez mais em rede, os cidadãos vão tender a manifestar-se mais contra o que não querem do que a arregaçar as mangas e a lutar pelo que querem, como se tem visto em várias partes do mundo. Portugal continua a ser tradicionalmente um país de brandos costumes mas os cidadãos estão mais atentos.

11. O imperativo de (re)descobrirmos quem somos

O conforto e o calor que sentíamos na presença dos nossos avós e bisavós, muitas vezes associados a memórias sensoriais materializadas em cheiros e sabores, vai levar muitas pessoas a fazer um regresso ao passado, em busca de alimentos, de atividades, de locais de amigos que se perderam no tempo. Muitos analistas referem mesmo que as viagens em busca das origens vão estar em alta.

12. Empobrecimento ideológico e maior discriminação social

Apesar dos (incessantes) apelos à diversidade e à pluralidade de opiniões, há que enfrentar a realidade. Num mundo globalizado como o de hoje, as pessoas vão tender, cada vez mais, a ignorar quem tem pontos de vista diferentes dos seus, procurando sites e blogues em sintonia com a sua forma de pensar em detrimento dos outros, o que gerará um empobrecimento ideológico e uma maior discriminação social.

13. Empresas (ainda) mais atentas às nossas preferências

O nosso passado e o nosso presente vão perseguir-nos. Os profissionais de marketing e os analistas de informação vão estar atentos ao que pesquisamos na internet, aproveitando essa monitorização da nossa vida para nos colocar à frente produtos, serviços e até conteúdos que julgam que são perfeitos para nós. Muitos deles serão oferecidos em função da nossa localização geográfica.

 

15 tendências efetivas que vão continuar a mover o mundo em 2018

 

14. Fato e gravata em desuso

O fato e gravata tende a perder (ainda mais) terreno em 2018, à semelhança do que tem vindo a acontecer nos últimos anos. À imagem de Mark Zuckerberg, os novos milionários e as estrelas do setor tecnológico surgem cada vez mais em público com t-shirts e calças de ganga, inclusive em momentos mais formais, imitando muitas das celebridades nacionais e internacionais.

15. Mais bicicletas e mais ciclovias

Mais vantagens para quem troca o carro pela bicicleta. Em muitas cidades europeias, incluindo Lisboa, autarcas e ecologistas insistem na promoção da utilização deste meio de transporte como forma de resolver alguns dos principais problemas de mobilidade urbana. Em meados de dezembro de 2017, seguindo a tendência, a EMEL anunciou, a par da expansão da rede de bicicletas partilhadas Gira, na capital, novidades no sistema.

Mais sobre mim

foto do autor

Sigam-me

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2019
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2018
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2017
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D

Widgets