Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Girls can !!

Lifestyle

Lifestyle

Girls can !!

31
Mar18

6 DICAS PARA SE TORNAR NUMA MULHER MUITO MAIS SEXY!!!


Cátia Sofia Santos

A autoestima é um dos principais requisitos para que a mulher ganhe domínio de si e dos seus desejos. Sentir-se e ser vista como atraente depende sobretudo de saber usar os seus próprios recursos. Como? Explicamos-lhe tudo em apenas 6 dicas da sexóloga Aline Castelo Branco.
6 dicas para se tornar numa mulher muito mais sexy
 

1. APRENDA A GOSTAR DE SI PRÓPRIA

Uma das técnicas ensinadas por Aline Castelo Branco, sexóloga e especialista em Programação Neurolínguística, é a das afirmações positivas. Repita todos os dias, à frente do espelho, frases como “Eu sou sexy”, “Eu sou linda” ou “Eu sou poderosa”.

“A repetição das palavras de afirmação positiva faz com que o seu cérebro acione neutransmissores que vão causar a sensação de bem-estar e de confiança”, explica a especialista, acrescentando que “ao emitir informação ao seu subconsciente estará a fazer com que ele passe a acreditar no que está a dizer”.

2. VISTA-SE DE FORMA SEXY

Escolha vestuário que goste e, mais importante, vista roupas que a façam sentir-se sexy e confiante. Esforce-se por não sair de casa com o seu moletom, mesmo que seja só para ir ao café da esquina.

3. CHEIRE BEM SEMPRE

Cheirar bem em todas as ocasiões vai ajudá-la a ser mais atraente. Utilize os seus hidratantes corporais após cada banho e vai sentir-se uma autêntica rainha. Sentir-se-á mais sexy e vai atrair todas as atenções.

4. SAIA COM AS SUAS AMIGAS

Divertir-se é absolutamente essencial se deseja ter uma atitude positiva relativamente a si própria, mesmo que seja casada ou tenha algum relacionamento. Liberdade é a palavra-chave das relações bem sucedidas. 

5. FAÇA CONTACTO VISUAL

Olhe sempre para os homens que goste. Dê mesmo uma boa olhadela e vai ver que rapidamente estará a conversar com ele. O contacto visual é excelente mesmo quando a conversa já se desenrola. Vai fazê-la sentir-se mais confiante e pode mesmo colocá-la na liderança da interação.

6. AMPLIE OS SEUS HORIZONTES SEXUAIS

Pode pensar que ser tímida na cama é o comportamento certo ou mais sensato. Pode até acreditar que os homens gostam, mas não. Para ter uma experiência sexual fantástica precisa de estar disposta a experimentar tudo o que vem naturalmente. Procure ter a mente aberta quando se trata de sexo e verá que tira muito mais partido das suas experiências sexuais.

Uma mulher sexy também está disponível para experimentar produtos sensuais que a judem a soltar-se na cama. Se preferir, utilize primeiro sozinha, antes de o fazer com o seu companheiro.

30
Mar18

SERÁ O STRESS UM INIMIGO? TRANSFORME-O EM SEU ALIADO!!


Cátia Sofia Santos

O stress é visto geralmente como um inimigo, mas pode transformá-lo em seu aliado. Para isso, só tem que mudar a sua resposta ao stress e transformá-lo num forte motivador.
Será o stress um inimigo? Transforme-o em seu aliado
 

LIDAR COM O STRESS DE FORMA MAIS POSITIVA

Na sociedade atual, o stress é visto como um alvo a abater e a evitar a todo o custo, porque é percecionado como algo altamente prejudicial para a nossa saúde. Até os mais novos são, muitas vezes, protegidos desta apelidada epidemia do século XXI, ao protegemo-los em demasia e ao evitarmos serem confrontados com situações stressantes. Assim, não lhes concedemos a oportunidade de aprender a confrontarem-se com as dificuldades da vida.

Mas, será o stress assim tão prejudicial para a sua saúde? Vamos apresentar-lhe aqui o stress numa perspetiva diferente, mais positiva, de forma a utilizá-lo em seu benefício. Comostress pode ser um forte motivador. E como transformar o stress em seu aliado.

UM DOS BENEFÍCIOS DO STRESS DEVE-SE À LIBERTAÇÃO DA HORMONA OXITOCINA

Vários estudos têm demonstrado que o stress tem um papel paradoxal no nosso organismo. Por um lado, níveis demasiado elevados de stress, durante longos períodos de tempo, provocam danos tanto a nível físico como mental. Mas, por outro, quando o stress é vivido durante um curto período de tempo, tem um efeito benéfico ativando o nosso cérebro, ajudando-nos a ficar mais alerta e ativos. Deste modo, numa situação desafiante, o stress prepara o nosso organismo para uma resposta rápida a essa adversidade. Mais ainda, o nosso organismo possui ferramentas, não só para fazer face a esta situação, como prepara-nos para acontecimentos semelhante no futuro. Como tal, o ideal será gerir o stress de modo a torna-lo benéfico para a evolução do nosso desempenho nessas situações.

A psicóloga clínica Kelly McGonigal (especialista americana em autoajuda, estratégias de coping e mindfulness) vai mais longe ao afirmar que um dos benefícios do stress deve-se a uma hormona libertada pelo nosso organismo em situações desafiantes, a oxitocina, que é responsável pela empatia e sociabilidade. A produção dessa hormona torna-nos mais sociáveis. Atua ao nível dos neurotransmissores e “afina” a precisão do nosso cérebro ao nível dos instintos sociais, o que impulsiona-nos a reforçar as nossas relações com os outros. A oxitocina faz com que procuremos o contacto físico com os nossos amigos e familiares. Aumenta a empatia e incrementa a nossa vontade em ajudar e apoiar os outros. Deste modo, a produção da oxitocina faz com que nos rodeemos das pessoas que poderão ajudar-nos a ultrapassar mais facilmente as situações stressantes.

Mas esta hormona não atua só ao nível do cérebro. Atua igualmente ao nível do corpo, e é benéfica protegendo e regenerando o sistema cardiovascular, mantendo os vasos sanguíneos relaxados ao longo do episódio ameaçador. Deste modo, numa adversidade, se procurarmos ajuda ou até ajudarmos alguém, o nosso organismo aumenta a produção desta hormona e, como tal, traz benefícios para o funcionamento do mesmo.

 

O STRESS COMO ESTRATÉGIA DE RESILIÊNCIA PARA LIDAR COM AS ADVERSIDADES

Está na hora de mudar a sua perspetiva sobre o stress. Agora tem a oportunidade de enfrentar as situações mais stressantes de forma positiva, numa atitude mais otimista. Deste modo, irá encontrar soluções mais eficientes para os seus desafios. Considere o stress como uma possível ajuda, em vez de uma ameaça. Encare o stress como um processo resiliente de aprendizagem para lidar com as adversidades das rotinas do seu dia a dia.

O stress positivo irá ajudá-lo em diversas situações desafiantes, tais como (1) em conflitos relacionais; (2) quadros com sintomatologia depressiva; (3) situações de doença; (4) trabalhar sob pressão e com prazos muito apertados; (5) avaliações académicas. Em todas estas situações, o stress positivo contribuirá para o seu melhor desempenho e eficácia.

Como psicóloga clínica, tenho acompanhado diversos pacientes ao longo dos seus processos de autoconhecimento e aprendizagem, ajudando-os a adotar as melhores estratégias, bem como a definir as respostas adequadas em situações de stress e conflito. A minha intervenção tem sido feita no sentido de os meus pacientes melhorarem a utilização dos seus recursos cognitivos e emocionais, com utilização adequada das suas ferramentas na resolução de problemas, contribuindo, assim, para uma maior resiliência ao stress.

Os efeitos debilitantes do stress não são inevitáveis, mas sim a forma como pensamos e respondemos às situações. Transforme o modo como reage ao stress. Construa estratégias e utilize ferramentas que permitam gerir este processo mais eficientemente. Estará a ser corajoso ao pedir a ajuda do outro. Recorrer a um psicólogo clínico pode ser importante. Ele pode ajudá-lo a melhor a sua resposta em qualquer contexto e em qualquer situação desafiante da sua vida. Deste modo, tornar-se-á mais resiliente aos efeitos do stress, o que poderá providenciar-lhe uma vida mais feliz.

29
Mar18

QUE IMPACTO TERÁ A PRIVAÇÃO DO SONO NA GESTÃO DO SEU PESO?


Cátia Sofia Santos

Andamos a dormir menos do que devíamos e, por causa disso, engordamos, como também alertam vários estudos. A nutricionista Maria Raquel Luís explica porquê e esclarece o que deve fazer para o evitar.
Que impacto terá a privação do sono na gestão do seu peso?
 

A obesidade, que pode ser combatida através do exercício físico desde a infância, é um problema de saúde pública em todos os grupos etários e uma epidemia em todo o mundo. Para a sua prevenção sabemos que as estratégias nutricionais e de atividade física são fundamentais. Contudo, a evidência científica atual confirma a hipótese de que alterações no padrão do sono afetam negativamente a regulação do peso e constituem um fator de risco independente para o aumento da obesidade.

A recomendação das horas de sono ideais varia com a idade. As horas recomendadas que um menor de cinco anos deveria dormir são de pelo menos 11 horas, a partir dos seis anos pelo menos 10, adolescentes pelo menos nove e adultos pelo menos oito. Também é esta a sua média? O nosso metabolismo é um processo modulado através do sono. Tipicamente, o sono divide-se em duas fases, o sono REM e o sono não-REM (NREM), as quais representam um modo de funcionamento cerebral.

O consumo de glicose cerebral é maior enquanto estamos acordados e no sono REM, alcançando o seu menor nível nas etapas profundas do sono NREM. Consequentemente, mudanças na organização temporal do sono poderão resultar em alterações metabólicas que conduzem a um maior aumento de peso e ao risco de obesidade. Quais são os potenciais mecanismos? Maria Raquel Luís, nutricionista, dois aspetos fundamentais:

1. REGULAÇÃO NEUROENDÓCRINA DO APETITE E DA SACIEDADE

Pressupõe-se que a relação entre o sono e a obesidade relaciona-se com um desequilíbrio nos padrões neuroendócrinos reguladores do apetite. Quando o sono é reduzido, a concentração de leptina (hormona da saciedade) diminui e a concentração de grelina (hormona da fome) aumenta. Para além disso, a privação do sono aumenta a atividade do sistema orexígeno, com o consequente aumento da atividade de grupos neuronais estimuladores do apetite mediados pelo neuropeptídeo Y.

2. METABOLISMO GLUCÍDICO

Especialistas internacionais concluíram que a privação seletiva da fase 3 do sono NREM durante três noites seguidas, reduziu notavelmente a sensibilidade insulínica e a tolerância à glicose, induzindo um estado similar à pré-diabetes. Estas alterações, a longo prazo, podem contribuir para um maior risco de diabetes tipo II. Neste contexto, é importante dar relevância à importância do sono como um fator importante a considerar ao nível da saúde pública e na prevenção da obesidade.

Texto: Maria Raquel Luís (nutricionista)

28
Mar18

O PENSAMENTO 8 OU 80 (QUE NÃO AJUDA EM NADA)


Cátia Sofia Santos

Muitas vezes temos pensamentos negativos que não estão adaptados à realidade. A isso chamamos distorções cognitivas, ou seja, são pensamentos exagerados e/ou irracionais que a nossa mente arranja. E servem de alguma coisa? Um artigo da psicóloga Mafalda Leitão.
O pensamento 8 ou 80 (que não ajuda em nada)
 

Há vários tipos de distorções cognitivas e um deles, que falarei hoje, é o pensamento de “8 ou 80”, mais especificamente, o Pensamento Tudo ou Nada, que é um dos maiores obstáculos para quem quer perder peso.

O Pensamento Tudo ou Nada existe quando a pessoa faz uma conceção, uma argumentação ou um julgamento de algo em termos absolutos, usando expressões como “sempre”, “nunca”, “não há alternativa”, entre outros.

 

Vou dar alguns exemplos deste pensamento que, normalmente, podem ocorrer durante um processo de emagrecimento:

  • “Ou faço a dieta de forma exímia ou se acontecer um deslize, como tudo o que tiver à frente”;
  • “Já que não consegui resistir a estes alimentos, de agora em diante vou comer tudo o que tiver à frente”;
  • Ou perco 3kg na primeira semana ou nunca mais farei dieta”

Identifica-se com este tipo de pensamentos? 

É preciso corrigir este tipo de pensamentos disfuncionais. Isto porque quando pensamos de forma funcional, os nossos comportamentos tornam-se, também eles, funcionais. E só assim conseguiremos alcançar os objetivos pretendidos. Muitas pessoas não conseguem emagrecer porque pensam de forma disfuncional acerca da dieta e assim torna-se muito mais difícil, senão impossível. O que deve fazer?

 

Imagine que tem uma lesão num músculo e que tem de fazer fisioterapia para voltar a ser como antes. A fisioterapia serve como treino para o músculo perceber o que deve voltar a fazer e qual o comportamento que tem de ter. No emagrecimento passa-se exatamente o mesmo. Temos o nosso cérebro, que precisa de ser treinado todos os dias, para ganhar novos hábitos e um novo estilo de vida. E isso só é possível se o treinar; para que o processo de emagrecimento se torne mais fácil e, no final, seja algo intrínseco e que não precisa de pensar.

A isto chama-se reestruturação cognitiva e é possível fazê-lo com a ajuda de um psicólogo. O mais importante de tudo é que a eliminação destas distorções cognitivas melhoram as nossas emoções, o nosso bem estar e baixa a probabilidade da ocorrência de doenças, tal como a depressão ou ansiedade, como nos contam alguns estudos e a própria realidade em si.

27
Mar18

A magia dos frutos vermelhos!!


Cátia Sofia Santos

Morangos, mirtilos, groselhas e amoras são apenas alguns dos frutos vermelhos que vale a pena acrescentar à dieta.
 
 

Há quem lhes chame frutos do bosque e são também conhecidos como frutos silvestres ou vermelhos. Mas não se deixe enganar pela última designação, porque alguns são roxos, pigmentação que vem da antocianina associada à vitamina B1 que transforma os nutrientes em energia. Excelente fonte de antioxidantes, protegem o coração, são amigos da pele e ainda dos nervos, rins e aparelho digestivo.

Já os frutos (mesmo) vermelhos têm essa cor graças ao licopeno, fitoquímico associado à vitamina C. Para além disso, são fonte de betacaroteno, elemento útil à saúde de olhos e pele.

Fique com algumas boas razões para juntar os frutos silvestres à lista de compras na próxima ida ao supermercado.

  • Os frutos do bosque aliviam a congestão e as infeções das vias respiratórias, ajudando em caso de dor e irritação da garganta. Um bom motivo para apostar, por exemplo, nas amoras, groselhas e arandos. O consumo de frutos vermelhos pode também ajudar a passar o inverno sem gripe. Isto porque o ácido fólico e a vitamina C neles contidos, aliados a propriedades antioxidantes, aumentam a proteção contra as infeções.
  • Deixe o botox para mais tarde e ofereça frutos vermelhos à sua pele. Ricos em antioxidantes, neutralizam a ação dos radicais livres, retardando o envelhecimento através da melhoria da circulação sanguínea e do combate aos efeitos nocivos do sol. Os morangos são uma ótima opção.
  • Se uma dieta de emagrecimento faz parte dos seus planos, está na hora de acrescentar os frutos vermelhos à ementa. A frutose, açúcar natural dos frutos, prolonga a sensação de saciedade e evita os petiscos. Sabia que 300 gramas de frutos vermelhos equivalem a um terço de uma banana no que toca a calorias?
  • A quercitina presente nos frutos vermelhos alivia os sintomas das alergias. Por isso, agora que chegou o frio, nada como uma salada com morangos e framboesas para combatê-los.
  • Diga adeus ao stress e à ansiedade com a ajuda da vitamina C presente nos frutos silvestres. Este nutriente restabelece as reservas de adrenalina, o que minimiza os efeitos destes males atuais. Sabia que cinco morangos têm a mesma quantidade de vitamina C do que uma laranja?
  • Os frutos vermelhos dão mais saúde ao seu coração. E a culpa é do ácido fólico e dos antioxidantes que protegem as artérias do mau colesterol. Para além disso, a vitamina C e as antocianidinas evitam a formação deste, reduzindo o risco de enfarte e de AVC.
26
Mar18

OS 10 BENEFÍCIOS DO LEITE PARA A SAÚDE (SEGUNDO UMA NUTRICIONISTA)


Cátia Sofia Santos

Conheça as recomendações da nutricionista Mafalda Rodrigues de Almeida da Clínica Dra. Ana Silva Guerra.
 
Os 10 benefícios do leite para a saúde (segundo uma nutricionista)
 

1. FORTALECE OS OSSOS

O leite e os produtos lácteos fornecem cálcio, fosforo, magnésio e proteínas essenciais para a formação e reparação óssea. Um consumo adequado destes produtos ao longo da vida permite manter a densidade óssea em níveis adequados protegendo contra doenças como osteoporose.

2. FAVORECE A SAÚDE DOS DENTES

A concentração de cálcio e fósforo presente no leite e derivados é benéfica para o desenvolvimento e manutenção da saúde dos dentes. A proteína mais abundante do leite, a caseína, ajuda a prevenir as perdas de cálcio e fósforo do esmalte quando os dentes são expostos a alimentos muito ácidos.

3. MELHORA A TENSÃO ARTERIAL

Um número crescente de estudos sugere que consumir 2 a 3 porções de leite e derivados integrados numa alimentação saudável, pode ajudar a reduzir a pressão arterial tanto em adultos como em crianças.

4. AJUDA A MANTER UMA BOA SAÚDE CARDIOVASCULAR

Diversos estudos apontam para a ligação entre o consumo de leite e o risco reduzido de doenças cardiovasculares. Esta ligação pode dever-se a vários componentes presentes no leite mas está sobretudo associada ao cálcio. O consumo diário de cálcio pode reduzir os níveis de colesterol LDL no sangue bem como evitar a sua oxidação, o que ajuda a prevenir a incidência de doenças cardiovasculares.

Além disso, alguns cientistas acreditam que o consumo de cálcio regular ajuda a evitar a absorção de gorduras saturadas no intestino prevenindo a sua acumulação no sangue.

5. PREVINE A OBESIDADE

O consumo de leite e derivados como parte de uma dieta completa, variada e equilibrada está associado à manutenção de um peso corporal saudável e à diminuição da acumulação de gordura visceral.

 6. PREVINE A DIABETES TIPO 2

Num estudo realizado em mais de 37000 mulheres de meia idade descobriu-se que aquelas que consumiam leite e derivados com baixo teor de gordura mais frequentemente, apresentavam um risco reduzido de desenvolverem diabetes tipo 2. Em 2005 outro estudo veio dar enfase ao primeiro referindo mesmo que por cada porção extra de leite ou derivados com baixo teor de gordura consumidos, o risco de incidência de diabetes tipo dois era reduzido. Acredita-se que esta associação poderá estar relacionada com o baixo índice glicémico do leite e derivados, para além da sua riqueza em cálcio e magnésio.

7. PREVINE O CANCRO

Um estudo realizado em 45000 homens Suecos demonstrou que os homens que bebiam 1 copo e meio ou mais de leite por dia tinham 35% menos risco de desenvolver cancro do que aqueles que consumiam menos de 2 copos por semana. Outro estudo realizado em cerca de 40000 mulheres Norueguesas, concluiu que as mulheres que bebiam leite durante a infância e que continuavam a consumir durante a idade adulta tinham um risco reduzido de desenvolver cancro da mama. O Cálcio e o ácido linoleico conjugado, naturalmente presentes no leite, são apontados como razões para esta proteção.

8. HIDRATA

O leite é uma escolha excelente para hidratação corporal por ser muito rico não só em água como em minerais.

9. FAVORECE A SAÚDE OCULAR

O leite é rico em vitaminas B2 e A que constituem dois componentes essenciais para a manutenção da saúde ocular.

10. FORNECE AMINOÁCIDOS ESSENCIAIS

Os aminoácidos essenciais são aqueles que o corpo humano precisa de procurar em fontes externas. Em comparação com a carne ou o peixe, as proteínas do leite são cerca de 20% mais ricas em aminoácidos essenciais. O leite é muito rico em proteínas e aminoácidos essenciais (que o nosso corpo não produz). Desde que a alimentação respeite as proporções da roda dos alimentos, as necessidades diárias de proteínas nos adultos ficam satisfeitas apenas com meio litro de leite, um ovo e cerca de 100 a 150g de carne ou peixe.

Se eliminássemos o leite teríamos de aumentar para cerca de 220 a 330g de carne ou peixe o que ficaria muito mais caro. Na Noruega, o reconhecimento dos benefícios do leite tanto a nível nutricional como económico levou os governantes a popularizarem o preço do leite e a subsidiarem a sua produção durante anos.

As recomendações são da nutricionista Mafalda Rodrigues de Almeida da Clínica Dra. Ana Silva Guerra.

25
Mar18

8 erros que cometemos durante o fim de semana!!


Cátia Sofia Santos

No fim de semana é altura de 'estragações', mas com elas também chegam os arrependimentos, sobretudo no início da semana. Para aproveitar bem o seu fim de semana, siga estes truques. 

 

139 curtidas, 7 comentários - M. Cαmiℓα Sαrαiνα (@mcamilasaraiva) no Instagram: “Pose somente pra foto, pq no sofá eu gosto é de deitar... quem mais? Bom dia pessoas lindas. 😘”

 

Fique atento a estes ‘maus’ hábitos de fim de semana, para evitar estragar os únicos dias de descanso que tem.

 

1. Comer muito ao jantar de sexta-feira;
2. Dormir muito no sábado;
3. Passar os dias no sofá;
4. Exagerar no ginásio;
5. Beber muito e depois acordar de ressacada;
6. Estar sempre a atualizar as app’s no seu smartphone;
7. Aproveitar o fim de semana para recuperar e atualizar os maus vícios;
8. Passar demasiado tempo a dormir;

04
Mar18

10 TENDÊNCIAS DE BELEZA A TER DEBAIXO DE OLHO NOS PRÓXIMOS TEMPOS!


Cátia Sofia Santos

Influenciados pela investigação científica das principais marcas de cosmética asiática, são muitos os produtos e as formulações que prometem revolucionar o mercado e até alterar as rotinas de beleza de muitos consumidores.
10 tendências de beleza a ter debaixo de olho nos próximos tempos
 

Muitas das atuais inovações da cosmética vêm da Ásia. Desenvolvidos nos laboratórios científicos das principais marcas de cosmética desta região do globo, são muitos os produtos e as formulações que prometem revolucionar o mercado e até alterar as rotinas de beleza de muitos consumidores globais. Entre 2009 e 2016, as exportações de cosméticos da Coreia do Sul para o resto do mundo atingiram números impressionantes.

Em apenas sete anos, cresceram dos 415 milhões de dólares, cerca de 339 milhões de euros, para os 4,18 mil milhões de dólares, perto de 3,42 mil milhões de euros. Muitos especialistas, atentos ao fenómeno, já identificaram 10 das novas tendências de beleza a ter debaixo de olho nos próximos tempos.

1. PRODUTOS QUE REPARAM A BARREIRA NATURAL DE PROTEÇÃO DA PELE

As agressões exteriores e a falta de hidratação são apenas duas das causas que danificam a camada exterior da epiderme que têm a função de a proteger. Para manter a pele saudável, firme e hidratada, a aposta passa por formulações, menos abrasivas, que não retiram a oleosidade natural dos tecidos cutâneos, comprometendo essa função de proteção.

 

2. COSMÉTICOS QUE GARANTEM RESULTADOS PRÓXIMOS DOS DOS TRATAMENTOS CLÍNICOS

Incorporar na formulação dos produtos ingredientes, complexos e tecnologias (ainda) mais avançados é outra das permissas. Algumas marcas europeias têm vindo a adotar esta tendência, apresentando cosméticos com formas de aplicação diferenciadoras e com uma galénica que visa garantir resultados próximos dos dos tratamentos e dos procedimentos estéticos de muitas clínicas e institutos.

3. MAQUILHAGEM COM TRATAMENTO

Aproveitar a rotina de maquilhagem das mulheres para criar blushes que protegem a pele dos raios solares, batons que hidratam os lábios, cremes que funcionam como primers ou até bases com ácido hialurónico que combatem as marcas de envelhecimento da pele é uma das pretensões de muitas marcas. Muitos especialistas garantem que o futuro passa pela comercialização destes produtos híbridos.

4. MÁSCARAS DE ÚLTIMA GERAÇÃO

Em tecido ou em creme, hidratantes ou desintoxicantes, são atualmente muito diferentes do que eram até ainda há poucos anos, mas também aqui têm sido muitas as inovações. Algumas já são comercializadas com cremes de limpeza e/ou com hidrogel ou com essências de colagénio que reforçam e potenciam o efeito da formulação da máscara. As que podem ser mantidas no rosto durante a noite têm vindo a registar grande procura.

5. PRODUTOS DE CUIDADO QUE CURAM A EPIDERME

Em vez de cobrir as imperfeições da pele com maquilhagem, a abordagem tem vindo a mudar. Recorrer a produtos de cuidado de rosto e corpo que limpam, acalmam e nutrem a epiderme, muitos deles com ingredientes vegetais de origem natural na sua formulação, é outra das tendências que muitos especialistas do setor apontam.

 

6. PEELINGS FACIAIS E LABIAIS

Nos últimos anos, muitas marcas apostaram nos produtos peel-off. Em 2017, foram muitas as mulheres e também os homens que os experimentaram. Não é, por isso, de estranhar que o mercado esteja a ser inundado de cremes que esfoliam a pele e de batons que removem as células mortas dos lábios.

7. USAR CREMES E SÉRUNS PARA ILUMINAR A PELE

Exibir um aspeto natural e autêntico é a preocupação de muitos. O recurso a séruns prensados e a cremes de cuidado de dia que iluminam naturalmente a pele tem sido, nos últimos tempos, recomendado por muitos especialistas e até por maquilhadores de referência, que os usam sobretudo para valorizar as maçãs do rosto. Ao contrário dos líquidos, os séruns compactos são mais facilmente absorvidos pela epiderme.

8. COSMÉTICOS QUE COMBATEM A POLUIÇÃO

A poluição é uma dos principais fatores de envelhecimento da pele. Muitos especialistas defendem, contudo, que muitos dos cosméticos no mercado não conseguem combater nem erradicar totalmente os agentes poluidores microscópicos que afetam a saúde da epiderme. Para contrariar essa situação, muitas marcas estão a apostar em produtos com propriedades anti-inflamatórias e até a reforçar a sua função antioxidante.

9. CUIDADOS DE BELEZA PORTÁTEIS

Tal como sucede com os batons e com as sombras, disponíveis em embalagens de pequenas dimensões que podemos ter sempre facilmente à mão, a ideia é replicar o modelo de negócio também nos cuidados de rosto e corpo. O desenvolvimento e a comercialização de embalagens mais pequenas e fáceis de transportar é outra das tendências que muitos fabricantes já estão a seguir.

10. TRATAMENTOS PARA A ACNE SEM QUÍMICOS NEM FÁRMACOS

Em muitos países asiáticos, os tratamentos para a acne sem químicos nem fármacos são os mais procurados. Em vez de recorrer a substâncias artificiais desenvolvidas em laboratório, muitas empresas do setor têm vindo a preferir ingredientes naturais menos agressivos, como é o caso da vitamina C, do mel, da argila, da lama e até de alguns alimentos probióticos.

03
Mar18

MAS, AFINAL, POR QUE CHORAMOS?


Cátia Sofia Santos

Já chorou hoje? Existe toda uma ciência por detrás do choro, esse companheiro de muitas horas. Saiba o que as investigações científicas têm descoberto sobre o efeito protetor, a nível físico e psicológico, das lágrimas.

 

 

Mas, afinal, por que choramos?

 

 

Aqui, não há exceção que dite a regra. Não há ninguém que já não tenha derramado umas quantas. Deixam-nos sem palavras. Todos os gestos parecem desajeitados e inúteis quando as lágrimas inundam o rosto de alguém que gostamos. Procuramos lenços de papel dentro da mala e tentamos desesperadamente secar o sofrimento que inunda o cenário, como se o simples facto de limparmos os vestígios de água pusesse fim à dor de alguém.

Queremos que esse momento se evapore, pois sentimo-nos incomodados perante aquilo que é, afinal de contas, uma das coisas mais naturais do mundo. E muito necessária! Mas, afinal, por que choramos?  Este é um enigma antigo que tem fascinado os investigadores um pouco por todo o mundo. Alguns deles resolveram fazer contas às lágrimas que vertemos ao longo da vida e explicam-nos este fenómeno universal.

Salvo algumas espécies muito raras de elefantes indianos ou de gorilas africanos, o homem é o único animal capaz de chorar quando as emoções o dominam, sejam estas a tristeza, o medo ou até a alegria. William Frey, bioquímico no Ramsay Dry Eye and Tear Research Center, nos Estados Unidos da América, tentou descobrir por que choramos e deparou-se com ainda mais perguntas do que as que tinha inicialmente.

 

Uma coisa é certa. Não há como contorná-lo! Cerca de 85% das mulheres, que este investigador inquiriu, revelou que se sentia muito mais tranquila depois de chorar e 75% dos homens é da mesma opinião.

Mas, mais do que um mero efeito libertador, William Frey apurou que chorar permite ao corpo expulsar, através das lágrimas, substâncias químicas que o organismo produz quando submetido a situações de stresse. Logo, trata-se de um ato que nos é benéfico e que pode até ser interpretado como um mecanismo de defesa do corpo e dos próprios olhos, já que as lágrimas formam uma película que os lubrifica e protege-os contra agressões externas.

Mulheres na liderança do choro

Fomos treinados para chorar. Um bebé chora porque tem fome, sede, dores, porque quer colo ou, pura e simplesmente, para chamar a atenção daqueles que o rodeiam. Será possível quantificar todas as vezes que um bebé chora? Pode pensar que não, mas uma equipa de cientistas italianos levou a cabo esta missão impossível, concluindo que um recém-nascido chora, em média, de 30 em 30 minutos, o que perfaz o total de cerca de duas horas diárias.

 

À medida que vamos crescendo, as sessões de choro vão-se tornando mais espaçadas, felizmente. E até à puberdade, não existe grande diferença, no que toca à periodicidade, entre ambos os sexos. Porém, a partir daqui e, por volta dos 18 anos, já é possível constatar lágrimas distintas. Uma das teorias para esta disparidade pode residir nas diferenças hormonais que existem entre o homem e a mulher.

 

Ninguém conseguiu ainda descobrir qual é o papel do estrogénio na produção de lágrimas, mas os dados que constam em muitos dos relatórios dos estudos científicos que têm sido levados a cabo nos últimos anos, sugerem que a prolactina, uma hormona que fomenta a secreção do leite e controla o equilíbrio dos fluidos, pode desempenhar um papel protagonista neste processo.

A questão é que, precisamente aos dezoito anos, a mulher produz cerca de 60% mais prolactina do que o homem. Os dados científicos permitiram apurar que um adulto chora, em média, cinco minutos, três ou quatro vezes por mês. Surpresa das surpresas, as mulheres choram cinco vezes mais do que os homens e durante mais tempo. Os números revelam que elas atingem, em média, os seis minutos, contra quatro para eles. E, se esta era já uma suspeita, eis a prova que faltava.

Secar as lágrimas

Tal como referimos no início, as lágrimas incomodam-nos, principalmente quando são dos outros. Jeffrey Kottler, psicólogo americano, defende que podemos (e devemos) aprender a lidar da melhor forma com esse tipo de situações e, acima de tudo, a ajudar a pessoa que chora. "O primeiro passo é, simplesmente, ouvi-la e tocá-la ou abraçá-la, mas apenas se esta se mostrar recetiva", sublinha o especialista.

"Os homens cometem o erro de, mal vêem uma mulher chorar, quererem perceber logo qual é o problema e resolvê-lo de imediato", refere. "Têm que a deixar chorar, confortá-la e só depois perguntarem o que se passa. De seguida, há que encorajar a pessoa a falar, a deitar cá para fora aquilo que está a sentir, mesmo que o discurso pareça desconexo. Só depois se poderá trabalhar no sentido de se encontrarem soluções", explica ainda.

Mais sobre mim

foto do autor

Sigam-me

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2019
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2018
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2017
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D

Widgets